Deixe um comentário

Plano de Saúde submete idoso à entrevista, antes de aceitá-lo

Ao menos 5 das 20 maiores operadoras que atuam na cidade de São Paulo submetem idosos a consulta médica prévia –uma delas exige também exames– antes de aceitá-lo como cliente, aponta pesquisa do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor).

As empresas chamam isso de “entrevista qualificada” e dizem que ela NÃO É OBRIGATÓRIA.

Para o Idec, a avaliação médica prévia acaba sendo um condicionante para a contratação do plano e é ilegal.

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) não faz a exigência. Segundo a agência, a entrevista é um direito do beneficiário, caso ela precise de orientação médica no preenchimento da Declaração de Saúde.

Editoria de arte/Folhapress

No momento da contratação de um plano de saúde, o consumidor deve informar à operadora se tem alguma doença ou lesão preexistente. Essa informação é passada por meio do preenchimento da Declaração de Saúde.

Dois corretores de planos de saúde, na condição de anonimato, disseram à Folha que, na prática, a consulta prévia é uma condição imposta pelos planos. Se o idoso se recusa a fazê-la, simplesmente não é aceito.

Segundo a ANS, ninguém pode ser impedido de ingressar em planos de saúde nem ter o acesso dificultado em razão da idade, condição de saúde ou deficiência.

“Caso a operadora esteja dificultando ou restringindo o atendimento de idosos, ela estará desobedecendo o Estatuto do Idoso, o Código de Defesa do Consumidor, a Lei dos Planos de Saúde”, diz a ANS, em nota. Nesses casos, a operadora poderá ser multada em R$ 50 mil por infração verificada.

“É uma prática ilegal. O artigo 5º da Constituição diz que a intimidade das pessoas é inviolável”, afirma Joana Cruz, advogada do Idec.

A consulta prévia é só mais um dos obstáculos que os idosos enfrentam hoje na corrida para adquirir um plano.

O primeiro é conseguir um plano individual. Das 20 maiores operadoras consultadas pelo Idec, apenas oito comercializam a modalidade.

O segundo obstáculo são os preços dos planos. A média hoje é de R$ 999,20.

Considerando que 72,4% dos idosos moram em domicílios cujo renda mensal é de dois salários mínimos (R$ 1.448), segundo o IBGE, o preço médio dos planos abocanharia 70% dos rendimentos.

O caso de Iraci Pasqueta Lodo, 80, é exemplar. Como pensionista, ela ganha R$ 1.800 e paga uma mensalidade do plano de R$ 1.783. “Ela só consegue ter porque eu e meu irmão nos cotizamos para pagar”, diz a filha Cidenei Lodo.

O valor era para ser o dobro, se a família não tivesse ingressado na Justiça e conseguido reduzi-lo.

Segundo a advogada Renata Vilhena, reajustes abusivos são uma das principais causas de judicialização. “Os idosos são os mais vulneráveis na saúde suplementar.”

Notícia Veiculada em http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/08/1499575-plano-de-saude-submete-idoso-a-consulta-medica-antes-de-aceita-lo.shtml

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s